PRODUÇÃO CULTURAL DA PERIFERIA

 

O movimento cultural e artístico das periferias está cada vez mais pulsante, com saraus, slams e diversos eventos abertos à comunidade. Mas como os jovens recebem e estão interagindo com estas manifestações? O Câmara Ligada falou sobre a força e importância da cultura periférica e sua luta por reconhecimento e visibilidade.

_LCM4153Quem agitou a plateia foi o Heitor Valente. Ele é rapper, produtor cultural e arte-educador do DF. Começou a compor aos 15 anos, influenciado por diferentes ritmos, sempre abordando temas como a desigualdade social e valorização da periferia. Atua em projetos voltados para o fortalecimento da cultura Hip-Hop em centros de reabilitação infanto-juvenil e pontos culturais do DF. Em 2017 estreou seu trabalho solo com o disco “O Legado” que conta com participações do Froid, GOG e outros nomes do rap do DF.

_LCM3704

Rapper Heitor Valente acompanhado do DJ Lucas Pinheiro, do vocal Rafael Cabelo e do MC Dudu Mano.

Para enriquecer o debate convidamos o Antônio Pádua e a Meimei Bastos. Pádua tem 15 anos de experiência em produção cultural no DF, atuando em diferentes projetos culturais e esportivos com foco em juventude de periferia nas áreas de empreendedorismo social, saúde, prevenção a violência e drogadição e projetos de empoderamento juvenil. Atualmente é presidente da R.U.A.S., Rede Urbana de Ações Socioculturais.
MeiMei Bastos, é uma jovem poeta e escritora que promove batalhas de poesias falada (slam) e saraus focados na juventude negra e na população periférica. Recentemente publicou seu primeiro livro, Um verso e mei, composto por poemas que falam da condição desfavorável da mulher negra do subúrbio e foi premiada pela Secretaria de Cultura do DF com o Prêmio Cidadania e Cultura, na categoria Equidade de Gênero.

_LCM3969

Meimei Bastos e Antônio Pádua

 

Ainda teve participação da Pegada Black. Que é uma companhia de dança da Ceilândia que atua com o objetivo de expandir a cultura charme no aspecto sociocultural pelas comunidades do DF e entorno e formar inclusão social através da música e da dança. O grupo é composto por dez dançarinos atuantes na área da dança urbana no DF.

A blogueira desta edição foi a Rayane Soares, integrante do Conselho Jovem do Câmara Ligada e ativista cultural no coletivo Jovem de Expressão.  Nossa platéia foi composta por alunos do CED 07 de Taguatinga, CEM 417 de Santa Maria e CEM 02 de Ceilândia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Veja o programa completo: bit.ly/camaraligadaprodculturalperiferia

  • Foto do perfil de Cult. Periferia