Bastidores: do livro pro cinema e para o livro de novo

A blogueira convidada para atualizar o nosso blog durante a gravação do programa sobre Literatura foi a Taize Odelli. A garota é uma leitora assídua e tem um blog  com resenhas de vários livros que leu. E foram muitos! O trabalho dela é tão legal que várias editoras são parceiras do seu blog, o www.rizzenhas.com . 

Não, esse título não é tão complicado assim. Todo mundo sabe que muitos livros servem de inspiração para o cinema. Ou pelo menos ficam sabendo depois de sair da sala de exibição. O fato é que a literatura é um mar de ideias para outras mídias – e nada impede que o contrário também aconteça. E depois de ver um ótimo filme e saber que ele, inicialmente, é um livro, por que não lê-lo?

Grandes blockbusters como O Senhor dos Anéis e Harry Potter causaram um alvoroço no mercado ediorial e fizeram muitos jovens ingressarem no mundo da leitura. Baseados respectivamente nas obras de J. R. R. Tolkien e J. K. Rowling, quem saía do cinema ía direto pra livraria atrás dos livros. Eu, por exemplo, sou uma leitora que se iniciou com essas séries, e a partir daí fui descobrindo coisas novas e, principalmente, que preferia muito mais os livros do que os filmes.

Por mais que a frase “o livro é melhor que o filme” seja uma constante para quem acompanha as adaptações, o cinema é um grande incentivador da literatura. Não há problema algum em admitir isso, em começar pelo lado mais “fácil, acessível”, para daí mergulhar num catatau de 700 páginas.

Pois então, esse também é um dos assuntos discutidos no Câmara Ligada sobre Literatura. Quando o assunto é incentivar os jovens a ler, o cinema não pode ficar de fora. Hoje, a faixa etária que mais consome literatura são os jovens que acompanham séries de livros, e que com o cinema também movimentam uma produção literária voltada somente para eles, com milhares de títulos e muitas vendas – olha só a Thalita Rebouças, que atingiu a marca de um milhão de livros vendidos. Isso, aqui no Brasil, é uma baita façanha. Somos um país que lê pouco, e não é qualquer autor que consegue vender tanto assim. E quem compram esses livros? Os jovens! Aqueles que provavelmente começaram a sentir gosto pela leitura depois de ver que aquele filme bacana era no começo um monte de letrinhas em muitas páginas.

Taize Odelli – rizzennhas.com