A crise está em toda parte

ludEnquanto o mundo chora, o empreendedor vende lenço”

 

Marolinha ou tsunami? Brasil em crise ou não? O que se sabe é que “crise”, “falência” e “recessão” são alguns dos termos que predominam nos meios de comunicação em todo o mundo.

Mas como que essa crise influencia as taxas de desemprego? E como os futuros profissionais devem lidar com essa realidade?

 

 

O tema tomou conta do terceiro bloco do Programa Câmara Ligada. Os convidados colocaram a sua opinião sobre como o mercado de trabalho é atingido pela economia atual e o que se deve fazer para lidar com ela.
 

 

“Enquanto o mundo chora, o empreendedor vendo lenço”. Essa foi a citação do Ilo Ribeiro. Ele comenta que a crise pode ser vista como oportunidade de trabalho. Em períodos complicados há uma carência de soluções de problemas. A dica é ir atrás e descobrir quais são as necessidades da comunidade.

O vocalista Bruno afirma ainda que a solução não é prestar para concursos públicos, apesar de serem sinônimos de estabilidade. A crise não deve limitar as escolhas profissionais.

O Professor Waldez Ludwig complementa, concordando com Bruno, que nem todos possuem a vocação para serem funcionários públicos. E aqueles que têm não devem ter a pretensão de enriquecer. O dinheiro é garantido sim, mas dificilmente irá ultrapassar determinada quantia.

Ludwig ainda dá a palavra final, dizendo não acreditar em crise. Para ele, o que está havendo é um período de transição de uma economia velha para uma economia nova. É um período de adaptação.

De qualquer forma, com crise ou sem crise, esse bloco termina com a atenção de todos voltada para o som da banda Sub-versão. Dizem mesmo que a música é considerada como um dos refúgios mais saudáveis para diversos problemas.

Palmas, cantoria e muita animação… Sub- Versão, é com vocês!!!

Deborah Delbart